Comparação entre o Antigo e o Novo Testamento.

A promessa de Cristo de que inspiraria os ensinos dos apóstolos e o cumprimento de tal promessa nos escritos do Novo Testamento não são os únicos indícios de sua inspiração. Outro indício é sua comparação direta com o Antigo Testamento. Paulo reconhecia claramente a inspiração do Antigo Testamento (2Tm 3,16), ao chamá-lo “Escrituras”. Pedro classificou as menciona o evangelho de Lucas, chamando-o “Escritura” (1Tm 5.18, citando Lc 10.7). Na verdade, em outra passagem o apóstolo atribui a seus próprios escritos a mesma autoridade das “Escrituras” (l1m 4.11,13).

O livro de Hebreus declara que o Deus que falou em tempos antigos, mediante os profetas, nestes últimos dias tem falado da salvação por seu Filho (Hb 1.2). E prossegue o autor, afirmando: “… tão grande salvação […] a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos [apóstolos] que a ouviram” (Hb 2.3). Os apóstolos foram o canal da verdade de Deus no Novo Testamento, assim como os profetas no Antigo. Portanto, não é de estranhar que os livros apostólicos sejam colocados no mesmo nível de autoridade dos livros inspirados do Antigo Testamento.

inspiracao-novo-testamento-2-aguas-do-marSão todos proféticos.

De fato, Pedro escreveu que os escritos proféticos advieram mediante inspiração divina (2Pe 1.21), e os escritos do Novo Testamento reivindicam claramente a condição de proféticos. João chama a seu livro profecia e se classifica entre os profetas (Ap 22.18,19). Os profetas do Novo Testamento estão na lista, junto com os apóstolos, dos alicerces da igreja (Ef 2.20). É provável que Paulo também tivesse seus próprios escritos em mente quando falou a respeito da “revelação do mistério que desde os tempos eternos esteve oculto, mas que se manifestou agora, e foi dado a conhecer pelas Escrituras dos profetas, segundo o mandamento do Deus eterno, a todas as nações para obediência da fé…” (Rm 16.25,26). Paulo afirma em Efésios 3.3,5 que

“o mistério […] me foi manifestado pela revelação, como acima em poucas palavras vos escrevi. […] o qual em outras gerações não foi manifestado aos filhos dos homens, como agora [nos tempos do Novo Testamento] foi revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas [do Novo Testamento]”.

Assim é que os escritos proféticos do Novo Testamento revelam o mistério de Cristo predito nos escritos proféticos do Antigo Testamento. A semelhança do Antigo, o Novo Testamento é uma declaração profética da parte de Deus.

antigo testamento inspiração dest - aguas do marReivindicação direta de inspiração nos livros do Novo Testamento.

No próprio texto dos livros do Novo Testamento há numerosos indícios de sua autoridade divina. São eles explícitos e implícitos. Os evangelhos apresentam-se como registros autorizados do cumprimento das profecias do Antigo Testamento a respeito de Cristo (cf. Mt 1.22; 2.15,17; Mc 1.2).

Lucas escreveu a fim de o leitor poder saber a verdade acerca de Cristo, “fatos que entre nós se cumpriram, segundo nos transmitiram os que desde o princípio foram deles testemunhas oculares, e ministros da palavra” (Lc 1.1,2), João escreveu seu evangelho para que os homens cressem (Jo 20.31):

” … para creiais que Jesus é o Cristo, o filho de Deus, e para que, crendo, tenhais Vida em seu nome”.

E o apóstolo acrescenta que seu testemunho é verdadeiro (Jo 21.24). O livro chamado Atos dos Apóstolos, também escrito por Lucas, apresenta-se como registro autorizado do que Jesus continuou a fazer e a ensinar mediante seus apóstolos (At 1.1). Isso foi visto também como cumprimento de profecia do Antigo Testamento (cf. At 2). Visto que Paulo citou o evangelho de Lucas como “Escritura” (1Tm 5.18), torna-se evidente que tanto o apóstolo como Lucas consideravam a continuação do relato evangelístico, i.e., o livro de Atos, texto autorizado e também inspirado por Deus.

antigo testamento inspiração 6 - aguas do marTodas as cartas de Paulo, de Romanos até Filemom, reivindicam inspiração divina. Em Romanos, Paulo comprova sua vocação divina para o apostolado (Rm 1.1-3). O apóstolo encerra sua carta com a afirmação de que se trata de texto profético (Rm 16.26). Paulo no final de 1 Coríntios diz: “As coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor” (1 Co 14.37).

Ele inicia 2Coríntios repetindo a afirmação de que é apóstolo genuíno (Co 1.1,2). Nessa carta ele defende seu apostolado de modo mais completo do que em qualquer outra carta do Novo Testamento (2Co 10-13). Gálatas nos apresenta a mais forte defesa que Paulo faz de suas credenciais divinas. Ao falar da revelação feita a ele do evangelho da graça, ele escreveu:

“Não o recebi, nem aprendi de homem algum, mas pela revelação Jesus Cristo” (Gl 1.12). Em Efésios, o apóstolo declara também: “… o mistério que me foi manifestado pela revelação, como acima em poucas palavras vos escrevi…” (Ef 3.3). Em Filipenses, Paulo admoesta os crentes duas vezes a que sigam o padrão apostólico de vida (Fp 3.17; 4.9). Em Colossenses, assim como em Efésios, Paulo sustenta que seu ofício de apóstolo lhe foi dado diretamente por Deus, “para cumprir a palavra de Deus” (Cl 1.25). A Primeira Carta aos Tessalonicenses encerra-se com esta admoestação (1Ts 5.27):

“Pelo Senhor vos conjuro que esta epístola seja lida a todos os santos irmãos”.

Anteriormente, o apóstolo havia lembrado a esses irmãos: “… havendo recebido de nós a palavra da pregação Deus, a recebestes, não como palavra de homens, mas (segundo é, na verdade), como palavra de Deus…” (1Ts 2.13). A Segunda Carta aos Tessalonicenses também termina com uma exortação: “… se alguém não obedecer à nossa palavra por esta carta, notai o tal, e não vos associeis com ele, para que se envergonhe” (2Ts 3.14). A respeito da mensagem de 1Timóteo, o apóstolo escreveu (1Tm 4.11,13):

“Manda estas coisas e ensina-as. […] Persiste em ler, exortar e ensinar, até que eu vá”.

Nesse texto, Paulo coloca sua própria carta no mesmo nível do Antigo Testamento. Sua carta e o Antigo Testamento deveriam ser lidos nas igrejas, por terem a mesma autoridade divina (cf. Cl 4.16). A segunda carta a Timóteo contém a passagem clássica sobre a inspiração divina das Escrituras (2Tm 3.16) e a exortação para que os crentes sigam o padrão das palavras sadias que receberam de Paulo (2Tm 1.13). “Conjuro-te, pois, diante de Deus e de Cristo Jesus…”, escreveu o apóstolo, “prega a palavra, insta a tempo e fora de tempo…” (2Tm 4.1,2). De maneira semelhante, Paulo ordenou a Tito: “Fala estas coisas, exorta e repreende com toda a autoridade” (Tt 2.15). Embora o tom da carta a Filemom seja intercessório, Paulo deixa bem claro que ele poderia ordenar tudo que ali está pedindo por amor (Fm 8). Hebreus 2.3,4 deixa bem evidente que este livro — seja quem for o autor— baseia-se na autoridade de Deus outorgada aos apóstolos e às testemunhas oculares de Cristo.

inspiracao-novo-testamento-3-aguas-do-marOs leitores são admoestados a que se lembrem de seus líderes, aqueles que “vos falaram a palavra de Deus” (Hb 13.7). E a seguir o autor continua a admoestar: “Rogo-vos, porém, irmãos, que suporteis esta palavra de exortação, pois vos escrevi resumidamente (Hb 13.22). Tiago, irmão do Senhor Jesus (Gl 1.19) e líder da igreja de Jerusalém (At 15.13), escreve com autoridade apostólica às doze tribos da Dispersão (Tg 1.1). A Primeira Carta de Pedro afirma ser proveniente do “apóstolo de Jesus Cristo” (1Pe 1.1) e contém admoestações tipicamente apostólicas (1Pe 5.1,12). A Segunda Carta de Pedro originou-se de “Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo”, lembrando aos leitores que o “mandamento do Senhor e Salvador, dado mediante os vossos apóstolos” tem a mesma autoridade das predições dos profetas do Antigo Testamento (2Pe 3.2).

A Primeira Carta de João é de alguém que ouviu, viu, contemplou a Cristo e lhe tocou com as mãos (1Jo 1.1). Nesta carta, o apóstolo João apresenta o modo de verificar a verdade e o erro (1Jo 4.1,2), afirma que a comunidade apostólica é proveniente de Deus (1Jo 2.19) e escreve a fim de confirmar a fé dos verdadeiros crentes (1Jo 5.13). A Segunda e a Terceira Carta são do mesmo apóstolo, João, tendo, portanto, a mesma autoridade (cf. 2Jo 5.7; 3Jo 9.12).

Judas escreveu um texto sobre “a salvação que nos é comum”, em defesa da fé “que de uma vez por todas foi entregue aos santos” (Jd 3).

inspiracao-do-antigo-e-novo-testamento-1-aguas-do-marA “revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu” (Ap 1.1), descreve a origem do último livro do Novo Testamento. “Eu, João”, escreve o apóstolo,”[…] estava na ilha chamada Patmos por causa da palavra de Deus […] no dia do Senhor, e ouvi detrás de mim uma grande voz, como de trombeta, que dizia: O que vês, escreve-o num livro, e envia-o às sete igrejas que estão na Ásia…” (Ap 1.10,11). Nenhum outro livro da Bíblia traz declaração mais visível de sua inspiração da parte de Deus do que o Apocalipse. A advertência para que não se profanem suas palavras tem o apoio de uma ameaça de julgamento divino das mais fortes nas Escrituras. Trata-se de confirmação muito pertinente à vindicação de que todo o Novo mento é Palavra inspirada de Deus, em pé de igualdade com o Antigo Testamento.

Pegue seu presente agora mesmo!

Digite seu email abaixo e ganhe o Ebook

Evidências da Existência de Deus

Seu email nunca será compartilhado.

Powered by Optin Forms
Compartilhe
Casado com Priscila Reis com quem tem 3 lindos filhos. Cristão, Economista. Gosto de música, viagens, e de ler. Saiba mais AQUI.

Deixe uma Resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here